Ser cristão

…ser cristão significava em princípio estar pronto para martyrein, para “ser testemunha” da crença cristã – dispondo-se a ser discriminado, sofrer, ser torturado e, na verdade, a morrer… Assim, a palavra mártir significava ser testemunha com o próprio sangue; confessor era o nome dado àqueles que sobreviviam bravamente à perseguição. O cristão devia suportar o destino final do martírio, mas não procurar esse destino.
De acordo com as origens hebraicas, a verdade do cristianismo não era para ser vista, nem teorizada; antes, era para ser praticada. Assim, no evangelho de João, Jesus Cristo é chamado de “o caminho, a verdade e a vida” (14,6). O conceito cristão de verdade originalmente não era contemplativo e teórico como o conceito grego, mas sim operativo e prático.
O que deve ser mais importante para um movimento religioso do que qualquer instituição ou constituição é seu poder espiritual e moral, e nos primeiros séculos da igreja isso não faltava.

– Hans Küng em Igreja Católica, 2002, Objetiva.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: