Arquivo de novembro, 2008

Deus não existe!!!

Posted in Uncategorized on novembro 21, 2008 by pensandolivre
Deus não existe. Ele é Ele mesmo pra além de toda essência e existência. Portanto, argüir acerca da existência de Deus é o mesmo que negá-Lo.

Deus não existe. Ele é. Eu existo. Pois existir não é algo que seja pertinente ao que É. Existir é o que se deriva do que sendo, É de si e por si mesmo.

Deus não existe. O que existe tem começo. Deus nunca começou. Deus nunca surgiu. Nunca houve algo dentro do que Deus tenha aparecido.

Deus não existe. Se Deus existisse, Ele não seria Deus, mas apenas um ser na existência.

Se Deus existisse, Ele teria que ter aparecido dentro de algo, de alguma coisa, e, portanto, essa coisa dentro da qual Deus teria surgido, seria a Coisa-Deus de deus.

Existem apenas as coisas que antes não existiam. Existir surge da não existência. Deus, porém, nunca existiu, pois Ele é.

Sim, dizer que Deus existe no sentido de que Ele é alguém a ser afirmado como existente, é a própria negação de Deus. Pois, se alguém diz que Deus existe, por tal afirmação, afirma Deus, e, por tal razão, o nega; posto que Deus não tem que ser afirmado, mas apenas crido.

Deus É, e, portanto, não existe. Existe o Cosmos. Existem as galáxias. Existem todos os entes energéticos. Existem anjos. Existem animais e toda sorte de vida e anima vivente. Existem vegetais, peixes, e organismos de toda sorte. Existem as partículas atômicas e as subatômicas. Existe o homem. Etc. Mas Deus não existe. Posto que se Deus existisse dentro da Existência, Ele seria parte dela, e não o Seu Criador.

Um Criador que existisse em Algo, seria apenas um engenheiro Universal e um mestre de obras cósmico. Nada, além disso. Com muito poder. Porém, nada além de um Zeus Maior. […]

A Escritura não oferece argumentos acerca da existência de Deus. Jesus tampouco tentou qualquer coisa do gênero. Tanto Jesus quanto a Escritura apenas afirmam a fé em Deus, e tal afirmação é do homem e para o homem — não para Deus —; pois se fosse para Deus, o homem seria o Deus de Deus, posto a existência de Deus dependeria da afirmação e do reconhecimento humano. Tal Deus nem é e nem existe; exceto na mente de seus criadores.

Deus não existe. O que existe pertence ao mundo das coisas que existem OU não existem. Deus, porém, não pertence a nada, e, em relação a Ele, nada é relação.

Defender a existência de Deus é ridículo. Sim, tal defesa apenas põe Deus entre os objetos de estudo. Por isto, dizer: “Deus existe e eu provo” — é não só estupidez e burrice; mas é, sem que se o queira, parte da profissão de fé que nega Deus; pois se tal Deus existe, e alguém prova isto, aquele que apresenta a prova, faz a si mesmo alguém de quem Deus depende pra existir… e ou ser.

O que “existe”, pertence à categoria das que coisas que são porque estão. Deus, porém, não está; posto que Ele É.
Ser e estar não são a mesma coisa, como o são na língua inglesa. O que existe pertence ao que é apenas porque está. Deus, entretanto, não está porque Ele É.

E quem direi que me enviou?” — perguntou Moisés. “Dize-lhes: Eu sou me enviou a vós outros!” — disse Ele.

Desse modo, Deus não diz “Eu Estou”, mas sim “Eu Sou”. Ora, um Deus que está, não é, mas passou a ser. Porém o Deus que É, mas não está; não pertence ao mundo das coisas verificáveis; posto que Aquele que É, não está; pois se estivesse, seria —, mas não Seria Aquele de Quem procedem todas as existências, sendo Ele apenas um ele, e não Ele; e, por tal razão, fazendo parte das coisas que existem — mas sem poder dizer Eu Sou!

Jesus também falou da sutileza do ser em relação ao estar. Quando indagado acerca da ressurreição pelos saduceus (que não criam em nada que não fosse tangível), Ele respondeu: “Não lestes o que está escrito? Eu sou o Deus de Abraão, eu sou o Deus de Isaque, eu sou o Deus de Jacó. Portanto, Ele é Deus de vivos, e não de mortos; pois para Ele todos vivem”. Assim, os que vivem para sempre são os que são em Deus, e não os que estão existindo. A vida eterna não é existir pra sempre, mas ser em Deus.

Assim, para viver eternamente eu tenho que entrar na dissolvência da existência, a fim de poder mergulhar naquilo que está pra além do que existe; posto que É.

A morte pertence à existência. A vida, porém, se vincula ao que não existe, pois, de fato É.

O que existe carrega vida, mas não é vida. A vida, paradoxalmente, não pertence ao que é existente, mas sim ao que É.

Quando falo de vida, refiro-me não às cadeias de natureza biológica que constituem a vida dentro da existência. Mas, ao contrario, ao falar em vida, refiro-me ao que é para além da existência constatável.

Ora, usando uma gíria de hoje, eu diria: Tillich tem razão quando diz: “Deus não existe!” — pois é isto que hoje se diz quando algo está pra além da existência: “Meu Deus! Esse cara não existe!”. Assim é com Deus: Não existe! Pois é de-mais!(REVERENDO CAIO FÁBIO), Sérgio vc acredita mais em Deus do que muitos que professam o Seu nome.

beijogalera!

Quanto vale a sua Fé?

Posted in Uncategorized on novembro 11, 2008 by pensandolivre

Gênesis 25. 27-34

 

27 – E cresceram os meninos, e Esaú foi homem perito na caça, homem do campo; mas Jacó era homem simples, habitando em tendas.

 

28 – E amava Isaque a Esaú, porque a caça era de seu gosto, mas Rebeca amava a Jacó.

 

29 – Jacó cozera um guisado; e veio Esaú do campo, e estava ele cansado;

 

30 – E disse Esaú a Jacó: Deixa-me, peço-te, comer desse guisado vermelho, porque estou cansado. Por isso se chamou Edom.

 

31- Então disse Jacó: Vende-me hoje a tua primogenitura

 

32 – E disse Esaú: Eis que estou a ponto de morrer; para que me servirá a primogenitura?

 

33 – Então disse Jacó: Jura-me hoje. E jurou-lhe e vendeu a sua primogenitura a Jacó.

 

34 – E Jacó deu pão a Esaú e o guisado de lentilhas; e ele comeu, e bebeu, e levantou-se, e saiu. Assim desprezou Esaú a sua primogenitura.

 

Esse texto relata a história de Jacó e Esaú, filhos de Isaque e Rebeca, eles eram gêmeos e na barriga da Rebeca eles já lutavam um com o outro, isso porque no ventre de rebeca existiam duas nações, ela iria da à luz á dois povos inimigos e um seria mais forte do que o outro. (ver nos versículos 19 – 23 no capítulo 25).

 

Esaú nasceu primeiro e depois nasceu Jacó. Esaú era o primogênito, então, ele tinha todos os direitos de filho mais velho, em determinado tempo Esaú acabou trocando o seu direito de filho mais velho por um prato de lentilhas com Jacó. Esaú não valorizava mais o seu direito de filho mais velho e acabou desprezando-o.

 

Quero fazer desse texto uma comparação para os dias de hoje, quero te perguntar: Quanto vale a sua fé? Ela vale um prato de lentilhas? Ela vale uma vida de noitadas em meio às drogas, prostituição? A sua Fé vale uma vida vazia? Quanto vale? Você sabe o valor da sua Fé?

Para muitos “cristãos” hoje essa Fé tem valor, às vezes vale um carro, fama, modismo, status, poder etc.

As pessoas esquecem de quanto essa Fé não tem valor, elas desprezam como se fosse algo que não seja tão fundamental em sua vida. Às vezes eu me pergunto: “Por quê a Fé cristã é “trocada” por coisas que não são tão fundamentais em nossas vidas? As vezes muitas pessoas podem encontrar perguntas sem respostas, é complicado, hoje muitas pessoas esquecem do quanto a Fé em Jesus cristo não tem valor, é algo incorruptível, algo que não é comprado, mas sim, oferecido pelo próprio Jesus.

O que seria de mim sem a Fé em Jesus em minha vida? Nada, não seria absolutamente nada. Eu não coloco o “nada” como que eu vou viver sozinho, ou como eu não vou conseguir nada em minha vida, não, não é isso. Mas coloco o “nada” como algo que se eu hoje não tivesse essa Fé seria tudo em vão em minha vida, seria como não ter sentido pra nada, seria como correr contra o vento. Essa Fé que transforma, que Liberta, que traz Paz e que traz a Salvação é algo simples e é dado para você através de Jesus.Você pode escolher em querer essa Fé, você pode escolher e não querer acreditar nessa Fé, ou você pode escolher em querer trocar essa Fé. Isso você decide.

Você quer ser um Esaú que trocou seu direito de filho mais velho por um prato de lentilhas? Ou você mesmo cansado, fraco, oprimido quer continuar com a sua Fé?

Lembre-se: trocar a sua Fé por um pratinho vagabundo que o diabo oferece às vezes é muito bom, mas o melhor que quando você continuar com a sua Fé, Deus não tem um pratinho vagabundo para você, Ele tem um banquete.

O bom é o inimigo do melhor.

Pense nisso.

Não quero ser um cristão…

Posted in Uncategorized on novembro 9, 2008 by pensandolivre

    Não quero ser um cristão que não vive o cristianismo, mas quero ser um cristão que as pessoas possam ver Jesus nas minhas atitudes e nos meus gestos. Não quero ser um cristão que vai a um culto no domingo à noite e que louva e adora um Deus e na segunda a sexta esquece desse Deus que tem que ser louvado a cada dia, a cada momento em Espírito e em Verdade. Nãoquero ser um cristão que vive em paradigmas de igrejas, quero sim, renovar as formas de mostrar o Verdadeiro amor, mas nunca mudar o contexto do evangelho de Cristo. Não quero ser um cristão cheio de “chavões”, ver diabo em tudo, e nem aqueles cristãos “Power Rangers”, sabe? Cheio de poderes, não, não quero isso, quero apenas mostrar a simplicidade de como é tão bom viver a pessoa de Jesus. Não quero ser um cristão cafona, viver dentro de uma bolha querendo ser superior a qualquer um, achando que é o dono da verdade, não quero isso, afinal, temos que viver é a Verdade de Jesus Cristo, pois ele é o Caminho, a Verdade e a Vida, e não querer viver a nossa própria “verdade”.

   Quero ser um cristão que Jesus possa ser meu universo, que de manhã ele possa ser o meu primeiro pensamento, e nada daquele negocio de: “vou orar 30 minutos hoje”. Que coisa medíocre, Deus não é psicólogo para marcar horário e querer desabafar para Ele, não quero isso, quero viver em espírito e em verdade, e que a cada momento eu possa discernir do que é certo e do que errado, enfim, não quero ser crente, quero ser apenas um verdadeiro cristão.